sexta-feira, 16 de abril de 2010

tarde manhã

Despedidazinha felina de um sonho tranquilo (espere que amanhã eu volto...). Espelho, café, cheirinho bom, céu colorido e frio.
Onde está o fósforo do fogão? Alguém dissera que fora gasto por Inês (a tão vergonhosa...).
Surge a mãe na porta do quarto, meia e chinelo, roupão. Com amargor e deboche, não ralha. O que é que Inês faz com esses fósforos? (Na certa, fuma. Maconha. Vergonha, absurda Inês).

Entre os avanços de horas,
(olhares noturnos do jovem-olhos-de-gato que estuda antropologia e deve ter 18 anos, cigarros roubados, lanches pendurados, trabalhos, distâncias, cansaços - por que meus olhos ardem tanto?)
Inês encostada no vidro do ônibus escutando um samba e contemplando a correria igualmente medíocre dos que vão e vêm. (Luiz Gabriel, não me cobre generosidade, logo você, tão cristão.)
* * *
Num pequeno silêncio de hoje a tarde (devagar, as janelas olham), entrou no ônibus uma mulher duns 40, 50, 60 anos, e o tempo silencioso durou um pouco mais que os segundos que lhe eram de direito. Trazia consigo o corpo daquela mulher o cheiro dum creme, uma loção, um não-sei-quê perfumado, que num tatear de narinas e lembranças me afogou
(em dias felizes na praia de Boa Viagem, em que a mãe cantava e carinhava, em que não havia nojo de nada e tudo era amor, sol quentinho, cheiro e barulho de mar e de mulher apaixonada, beijos na barriga e no pescoço, e aquele cheiro tão gostoso que vinte anos depois permanece tão forte: duas mulheres quase sem pecado.)
Meus tantos e tão ávidos olhares deram descanso aos olhos: inspirei e inspirei e inspirei todo aquele perfume de certeza e de infância. Quis encostar meu nariz e a boca, o rosto todo nas costas e nos braços daquela mulher antes que ela girasse a catraca, mas me detive por alguns milímetros e instantes, porque tudo o que eu buscava era éter.
(Foi como esmagar um pedaço meio doído, mas também foi como olhar pra sempre um retrato da infância).

inês.

42 comentários:

  1. Lembranças,,,desjos,,,nostalgia....???? um beijo carinhoso pra desejar um belo final de semana...obrigado pelo carinho da visita....volte sempre....sigo te.....

    ResponderExcluir
  2. Nostalgia sempre tem um cheiro bom.

    ResponderExcluir
  3. Um belo sabado pra ti amiga....beijos.

    ResponderExcluir
  4. sério, seu jeito de escrever é bem criativo.
    gosto.
    a matéria e a forma me cativam.

    ResponderExcluir
  5. fiquei lendo uns posts seus: inês que escorre; inês perversa...
    e "com perfume de certeza e de infância", ficou inês uterina.

    ResponderExcluir
  6. É, os aromas são capazes de desencadear até as mais ocultas lembranças...

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  7. Olá, retribuindo tua visita Ines...gostei do texto, um pouco nostálgico, mas com sua beleza.



    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Inês, gostoso te ler!
    Bom final de semana!!!Bjsss

    ResponderExcluir
  9. Obrigada pela visita e pelo seu comentário..(:
    Adorei seus textos!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Gostei do texto, menina x) Lembrança, nostalgia e sinestesia x) Quase pude ser a cobradora do ônibus, vendo a cena diante de mim, pelos olhos de Inês.


    Obrigada pela visita :}

    ;*

    ResponderExcluir
  11. Você descreveu de um jeito, que estive aí, junto de você,sentindo até o aroma, até o ponto final.
    Parabéns pelo texto.
    Um grande abraço, amiga Inês.

    ResponderExcluir
  12. quem é vc criatura?
    gosto tanto...

    ResponderExcluir
  13. Un abrazo
    una sonrisa
    de espuma blanca.

    Rozando
    las rocas
    el fin de semana

    Acariciadas
    en continuo cortejo.
    por el sol del ocaso.

    Murmullo de sonatas
    poemas de amor
    suspiran las caracolas.

    María del Carmen

    PD/Feliz domingo te deseo.

    ResponderExcluir
  14. Nostalgia e sinestesia.
    Acho que foi bem definida nos comentários ali de cima.

    ResponderExcluir
  15. Oi Inês,

    pois é, sou ariana, bem ariana.(!)
    Imagino que os "seus" arianos devem mesmo ter marcado, rsrsrs.

    Quanto as palavras, eu fiz aquilo totalmente por acaso, mas deu certo. Fiz no word, escolhi a fonte e o tamanho de cada uma para parecerem embaralhadas, depois copiei e colei todas elas e coloquei no blog. Adicionei o gadget de texto e as coloquei lá do lado. Ah, e depois pensaei em "linkar" com o marcador.
    Foi isso.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  16. Bela postagem.
    Um conjunto de sentimentos q abrange várias idéias,Fantástico.
    Um beijo grannnnnnnnnnde.

    ResponderExcluir
  17. Brigadim pela visitinha ao versoinverso,
    gostei do seu espaço e voltarei mais vezes.

    Ah, o poema PERDAS não é um momento Fernando Pessoa.
    É um momento de avaliar prejuízos e tentar salvar alguma coisa do caos.
    As perdas as vezes servem pra mostrar uma outra estrada, e se a gente perdeu no vento e não pode refazer, quem sabe não tem ainda uns segundinhos pra se abrir outra porta???

    Bitokitas e domingo de luz.

    ResponderExcluir
  18. GOSTEI DESSA FORMA DE ESCRITA...


    BOAS ENERGIAS

    ResponderExcluir
  19. Inês, belo e aconchegante esse teu espaço aqui na blogosfera. Adorei os contos, as palavras, as imagens os sons.
    Abraço de arte em ti, moça.

    ResponderExcluir
  20. Um belo espaço o teu.Adoro expões a tua escrita."Os caminhos de Inês?"

    Deixo-te um poema:

    " Caminhos

    Para quê, caminhos do mundo,
    Me atraís? — Se eu sei bem já
    Que voltarei donde parto,
    Por qualquer lado que vá.

    Pra quê? — Se a Terra é redonda;
    E, sempre, tem de cumprir-se
    A sina daquela onda
    Que parece vai sumir-se,

    Mas que volta, bem mais débil,
    Ao meio do lago, onde
    A mãe, gota d'água flébil,
    Há muito tempo se esconde.

    Pra quê? — Se a folha viçosa
    Na Primavera, feliz,
    Amanhã será, gostosa,
    Alimento da raiz.

    Pra quê, caminhos do mundo?
    Pra quê, andanças sem Fim?
    Se todo o sonho profundo
    Deste Mundo e do Outro-Mundo,
    Não 'stá neles, mas em mim.

    Francisco Bugalho, in "Paisagem"

    Beijinho doce e obrigada pela visita no meu espaço:)esperando que voltes

    ResponderExcluir
  21. In the divine immodesty of youth,
    In pagan ecstasy that beats luck,
    In a vibrant thrill of anxiety,
    I give you my body promised to death!

    The shadow between a lie and the truth ...
    The cloud that swept the north wind ...
    --- My body! I bring him a strong wine:
    My kisses of lust and evil!

    Bring red dahlias in her lap ...
    Are the fingers of the sun when I hold,
    Glued to your chest like spears!

    And my body with light arabesques
    Will involve you in circles Dantesque
    Feline in voluptuous dances ...

    Florbela Espanca

    ResponderExcluir
  22. Um perfume
    que evoca a imagem de um ser qualquer:
    De uma criança
    De um homem
    Ou de uma mulher.

    Às vezes nos leva
    a um tempo distante.
    Isso acontece
    Em mim constante.

    Um beijo e parabéns pelo espaço.
    Eu voltarei a visitá-la.
    Obrigada pela visita.
    Com carinho
    Fátima

    ResponderExcluir
  23. Faz um tempo que passo por aqui e não comento, na correria.
    Você escreve muito bem, me toca.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  24. certos aromas são como teletransporte *-*

    beijas :*

    ResponderExcluir
  25. O olfato também me traz muitas lembranças. As vezes nao muito boas. Mas eu supero... rs
    Muito obrigada
    Por comentar!!
    Adorei a visita!

    ResponderExcluir
  26. Nostalgia as vezes cai bem.
    beijos

    ResponderExcluir
  27. ooi, obrigada!
    gostei do teu blog tbm. (:
    bom, o filme que recomendei no meu blog se chama 'sempre ao seu lado'. ele passou no cinema sim, só nao sei te dizer se AINDA está em cartaz...

    bj.

    ResponderExcluir
  28. Bela escrita aqui. Voltarei com mais tempo.
    Obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  29. Muito bom o blog e as palavras.
    Boa semana para ti!
    Bjos

    ResponderExcluir
  30. Um banho nostálgico... nas palavras presas que traquinamente se soltam...

    Belíssimo texto
    parabéns!

    Obrigado pela visita em meu recanto.
    Doce semana
    Bjs
    Livinha

    ResponderExcluir
  31. cheiros são assim mesmo - nos jogam nas valas do passado! às vezes farejo para ver se reencontro pessoas que eu gostava e que partiram... cigarro de palha tem o cheiro do meu pai!
    besos

    ResponderExcluir
  32. as folhas miúdas do tempo a nos envolver.. belo blog.

    ResponderExcluir
  33. acho que poderíamos olhar para sempre um retrato de infância. ele não acabaria nunca.

    ResponderExcluir
  34. você é pura poesiiaa!
    gosto muito.

    bjo.

    ResponderExcluir
  35. *
    o teu texto
    é um sublime manancial
    de vividos lembranças,
    um memorial, diria eu !
    ,
    brisas serenas,
    deixo,
    *

    ResponderExcluir
  36. Inês...

    Um belo texto, revisitando os tempos de infância que ainda acendem a memória...

    Beijo
    AL

    ResponderExcluir
  37. duas lembranças durante a leitura, um livro e um trocadilho sujo.

    Livro: Lavoura Arcaica, Raduan Nassar (recomendo)

    Trocadilho: Aquela mulher, de longe, me parece tão feia. De perto ela me parece tão de longe.

    ResponderExcluir

Minha lista de blogs