quinta-feira, 8 de abril de 2010

que deus nos ilumine, ou: morphine

Sou um fracasso nessa história de cuidar de mim e ter amor próprio, e acabo me jogando nuns chapiscados, como se o meu corpo - já não tão viçoso e já cansado de juventudes - tivesse que ser entregue em holocausto como pagamento por tanto imaginar mundos diante dos meus olhos e por desejar a vida com tanta sede.
Me sinto uma cachorra. E sim, tenho ódio dos homens.
Mas sobretudo ódio de mim, por ser vítima da minha própria monstruosidade, eu que sou perversa, eu que contemplo a beleza e a morte com frieza e suporto minha própria dor gratuita em busca de uma resposta do mundo à tanta paixão que explode pelos meus olhos todos os dias e que a qualquer hora acaba de entupir todas as minhas veias.

inês.

21 comentários:

  1. melhor criar ódio próprio do que se fantasiar num amor

    ResponderExcluir
  2. Que entupa. Todas. Melhor que ser entupida pelo descaso, pelo pouco caso, pelo fim da trilha. É sede o que move, Inês. É a paixão desenfreada, a beleza sublime até na morte. Mas o mundo nunca te dará a resposta. Porque ela só existe dentro de quem sente.

    Estonteante esse texto. Vivo, tão vivo que dói horrores. Eu sinto. Cachorra!

    Beijo de admiração (essas letras parecem que saíram de mim. Me falta um pedaço, que ficou grudado no teu chapiscado)

    ResponderExcluir
  3. Sei como é. Fazemos iss mesmo sem perceber...

    Ps: Posso colocar seu blog na lista dos que eu indico?

    Adoro isso aqui! :)

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Dificil comentar o teu texto,na verdade vivemos num mundo que cobra a beleza como permanente, mas isso não passa de palavras que enchem os bolsos de alguns,e leva tantas pessoas á mediocridade, como crianças que entram em bulimia e anorexia, o que é belo? um corpo bem torneado, um olhos claros, ou uma mente sã , tudo o que nasce, acaba por envelhecer e morrer, é normal, entendo a morte como como a consequência da vida, não pedimos para nascer, não pedimos para morrer, odiar... para quê traz sofrimento em especial a nós mesmos, talvez não seja a paixão o mais importante pois é uma explosão momentânea que morre rapidamente, talvez nos devamos aceitar como somos com todas essas monstruosidades que cada um de nós possui,e aprendermos em vez de nos odiarmos a amar-mo-nos, pois na verdade cada ser é único, perfeito, e fazemos parte de um todo

    muito forte o teu texto, um sentimento que tantos de nós em algum momento sentimos
    beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Ei!
    Seu texto é cheio de tanta coisa
    e ao memso tempo depois de ler
    é como se a essencia se espalhasse
    e o vento levasse tudo...
    fica um silêncio bom,
    um'q' de muito pra pensar...
    mas so depois...
    Adoro essa sensação.
    Tem texto novo na no meu canto.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  6. Meus olhos fixaram-se nos seus textos...bem intensos, mais verdadeiros.

    Beijos e flores!

    ResponderExcluir
  7. Ô Inês... você não é essa depravação toda não, menina. Só de ter a coragem de colocar as cartas na mesa, é sinal de que você tem força pra mudar, sim. A auto estima é o que nos faz respeitar à nós mesmos.Gostei do seu texto. Não ligue para os hipócritas que possivelmente se acham melhores que você. Todo mundo tem qualidades e defeitos.
    Pelo jeito, o seu "defeito" só prejudica você própria. Seja sua amiga e não facilite a luxúria dos aproveitadores não, amiga!
    Ah... vou rezar um Pai Nosso para o seu anjinho da guarda, pedindo para ele blindar essa menina linda, reservando-a para alguém muito especial, que a mereça de verdade. Alguém que tenha amor e respeito por você; que é o que você merece, filha de Deus! O corpo é a casa do espírito.

    Que Deus ilumine seu corpo e sua alma.
    Muitas felicidades. Não se condene, apenas mude de atitude.

    Um beijo nesse coração maravilhoso.

    ResponderExcluir
  8. Saiba dizer NÃO, e você se sentirá muito bem.

    ResponderExcluir
  9. Difícil é achar quem esteja pronto pra receber tanta paixão assim.

    ResponderExcluir
  10. Grata pela sua visita e seu comentário, logo n podia deixar de vir aqui...Fui capaz de sentir a tua dor, e de coração lhe envio energias positivas, a fim de tb possa ser atingida por elas, pra que se sinta, amada, querida, e especial cm as palavras expressas aqui. Gente sensível assim sofre mesmo, mas busca dentro de vc, o ser capaz de mudar tudo o que deve ser mudado, força pra suportar o que não consegue mudar, e discernimento entre o certo e o errado. Quem de nós nascemos sabendo?

    ResponderExcluir
  11. Inês, é tudo artimanha. Eu saí do meu lugar para roubar a sua atenção. É que disseram que escrevi coisas fantásticas. Eu não sei. Não sei não. Eu apenas falei o que me veio na lata. É tudo artimanha, uma maneira de receber um pouco mais de atenção. Não sei. Não sei não. Parece que todos querem um pouco mais de atenção. É frio, mas é verdadeiro. Roubamos enquanto pedimos por mais atenção.
    É tudo artimanha; é um mover-se, um coçar-se, um andar com o olhar perdido nas pessoas, na cidade.

    Abraço sincero, e hoje é isso, e não menos que isso; estou divulgando o meu “O Cavaleiro da Triste Figura, e poderia estar matando, roubando, ou estuprando por sua atenção, mas estou pedindo, pedindo para que vá ao http://jefhcardoso.blogspot.com e diga o que achou. Já roubei muita gente e agora, sinceramente, quero roubar você.

    ResponderExcluir
  12. Não tenha ódio dos homens, homens são legais. Eu, por exemplo, sou muito legal, veja: 8D
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Gostei da brincadeira no titulo.
    é foda né... o ser humano é complicado...
    mas também... sei lá...
    as vezes o ser humano é que se complica né...
    mas não adianta... estamos fadados a esses conflitos.
    gostei do texto.

    ResponderExcluir
  14. Eu sempre digo que na minha próxima vida vou nascer inteligente, vou nascer lésbica.

    BeijooO'

    ResponderExcluir
  15. Bom dia, menina.
    Que Deus a abençoe, hoje e sempre.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  16. Esse texto traduz a própria complexidade da condição humana, não é mesmo?

    Belas palavras (y)

    ResponderExcluir
  17. Olá Inês!

    senti Lispector em suas fortes palavras,
    é o mesmo espírito a mesma pujança!

    obrigada pela sua cordial visita!

    saudações,
    Ester.~

    ResponderExcluir
  18. Olá, Inês, como vai?
    Passei para conhecer seu blog! Li alguns de seus textos e adorei a forma espontânea com a qual você escreve! Estou te seguindo e te linkando!!!

    Ah! Me chamo Marília Caires Bomfim, por isso, Macaires!

    Um grande beijo e te espero lá no meu espaço!!!!

    ResponderExcluir
  19. a vida é um stress, tb aqui em portugal, pelo ganha-pão!

    felicidades :)

    ResponderExcluir
  20. nesse eu chorei.
    acho q pq sei comé isso.
    bjo, linda.

    ResponderExcluir

Minha lista de blogs