quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Despétalas

Sonhei que te embalava
em meus braços não finos-de-heroínas-espanholas.
Despertei sentindo seus olhos
passeando distraídos
nalgum sonho só seu.

Sonhei que te devorava
(mais com sede que com fome)
ao som de uma salsa.
Despertei.
E no escuro do quarto seu silêncio arrebatou meus desejos.
E um soluço silencioso quase explodiu meu coração antes que eu voltasse a dormir.

Sonhei que te traía
com flores brancas de pétalas macias.
Despertei.
E vi que tu já não estavas...

Inês.

7 comentários:

  1. Poema Lindo e muito sensual, parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Belas imagens oníricas!

    Obrigada pela visita e pelo gentil comentário, Inês!

    Abraços,
    Lou

    ResponderExcluir
  3. Moça...
    que belo invento, tens aqui.
    voltarei muitas vezes.
    tomei um susto...
    lindo, viu?
    abraço grande e admiração do


    Roberto.

    ResponderExcluir
  4. Que maravilha! tens cada poema mais lindo!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Gostei demais! Lindo post! Lindo blog!

    Sonhos... não tem hora, nem lugar, nem estado. Sonhos.

    Abraço,

    ResponderExcluir
  6. copiando o paradigma acima:

    Sexo...não tem hora, nem lugar, nem estado. Sexo.

    se eu não compreendi errado. rsrs

    ResponderExcluir

Minha lista de blogs