domingo, 23 de agosto de 2009

O triste baile das horas

Desfilam zombeteiras entre um sonho e outro
as horas
ninfas perversas e cheias de caprichos
(as horas são mulheres...)

Riem do quê?

Bailam
encenando desleixo
e fogem sorrateiras
enquanto sorvo desilusões.

Triste e capciosa dança
a das horas.
(tristes horas, só por serem horas.)

Inês.

9 comentários:

  1. Muito lindo. (As horas são mulheres), mas é certo que sempre me dei mal com as primeiras e bem com as segundas, de tal sorte que, proporcionalmente, detesto tanto as horas como adoro as mulheres.

    ResponderExcluir
  2. Menina, que lindo Inês.
    Adorei, de verdade.
    Um belo jeito de lidar com as palavras,
    um poema solto dos versos, livre.
    Tu viu menina, a pilantra plagiadora?
    Mas eu dei um jeito já de ninguém copiar mais meus textos, e tenho até pena dela, por ela ser uma sem imaginação. Pobre coitada.
    rsrsrs.
    Beijos e obrigada pelo carinho, volte sempre que quiser.

    ResponderExcluir
  3. "as horas são mulher..." Se houvesse um ponto final, eu não teria ficado a pensar nisso...mas com reticências...vc me deixo pensando...O tempo é homem...
    beijocas

    ResponderExcluir
  4. O tempo é o que nós quisermos

    e por vezes é bom ter todo o tempo

    ao contrário dos ponteiros do relógio

    ResponderExcluir
  5. Pra variar um ótimo post!!! lerei o que perdi nos tempos de ausência...
    a música é da Julieta Venegas... andava escutando muito essa mocinha...
    beijos

    ResponderExcluir
  6. ...Às vezes uma intensa alucinação
    Em que viajas pelo meu eu
    Às vezes o mundo fica em espera
    Da união do mar com o céu

    Onde param os teus anseios
    Onde encontras a sublime calma
    Nestes dias de dura tormenta
    Onde aqueces a tua alma?

    Voa comigo...


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  7. Maravilhoso!!!!!!!!!!!!!!!!
    Bom demais estar aqui lendo, relendo!!
    Beijão
    Bea

    ResponderExcluir

Minha lista de blogs